Diário da doente #3

Maldita a hora em que dei o iogurte à dona Joanina. Se a tivesse deixado morrer à fome a esta hora podia dormir descansada sem estar a ouvir gemidos com catarro de dois em dois segundos ou rezas "em nome de Jesus". As "enfermeraaas" riem-se de mim porque não há mais nenhum quarto vago enquanto eu decido se encho a mulher de porrada por passar a noite a abrir a cortina que nos separa ou se me deixo ir neste caminho sem retorno que é perder a sanidade mental de vez.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Ponto da situação

Porta-Tazos #1 - Viva a nossa camionete!

Escrito em Fevereiro de 2016